25 de ago de 2016

Insônia

O abismo é célere.
Não há tempo.
Nele o som se perde
O silêncio que aguento
É o princípio, um retrocesso
Ao início do fim pelo avesso
De um lugar sem fim
Nem começo
De onde vejo a luz
Pelo inverso.