14 de dez de 2011

Prematuro

No ventre do mundo
Nascem paixões incandescentes
Brotam flores em chamas e almas carentes,
tudo descansa no ventre do mundo.

No ventre do mundo
Labaredas dançam cirandas nuas
ao som de canções só suas.
Existe vida no ventre do mundo.

 E quando o parto acontece
No rasgo, no arrombo, na fúria
O destino nos desgraça à sorte do que nos parece
um brinde à morte na mais pura luxúria

E no ventre do mundo
Surgem as filhas da canção,
bailando lanças ao coração
dos que desejaram ter tudo.

Declara-se loucura desmedida
Aos que juraram amor,
porque é pela dor
que se mede a profundidade da vida.


E o paraíso concreto
Construído às bases do sonho
se parte ainda desperto
Porque a utopia o faz estranho.

Oscilam-se as crenças.
Acinzenta-se a mente.
Não há diferença.
A verdade só mente.

E no ventre do mundo
Minhas palavras somem,
Por saber que não importa o que eu diga ou faça
Estamos todos, no ventre do homem.