18 de abr de 2013

Vida simples

Quanto menos pensarmos
e nos destituirmos de razão
cada vez mais perto dos extremos
nossos sonhos ão.

Na vitrine do pensamento
gloriosas obrigações flutuam.
A realidade nos é só um momento.
Na realidade crua os sonhos atuam.

Insisto sermos o que pensamos,
presos aos ponteiros do tempo
da cascata que sorvemos,
ao mais simples alimento,

está o homem fadado
ao final mais surpreendente,
a libertação deste mundo tão complicado
ao quebrar a expectativa na mente.

E se importassem as injúrias, ofenças
daria de ombros à eternidade, ao sempre
sem resgate, nem princesa de tranças.
A palavra me basta, não tente.

É através dela que me traio,
É com ela que ofendo... Que penso
nada mais perigoso que perder o ensaio.
A vida se apresenta no sonho, na verdade, ou a qualquer momento.


11 de abr de 2013

Ode ao século XXI

Engulo cru e sem mastigar.
Sinto o gosto amargo
seus olhares de repressão
as frases a destilar
Descendo, arranhando, e não indago,
cai tudo no estômago, é a intenção.

E quando menos espera
regurgito você.
Parto seus ossos nos molares,
Seu grito não me desespera.
Este crime não sairá na tevê
teria vergonha da tua presença em outros lares.

Porque é caído que mereces estar
sem mão aberta a se estender
porque hipocrisia se mata a míngua
quando a verdade parece faltar.
Primeiro corta-se a língua,
Depois é só mastigar, e engolir tudo
pra não deixar crescer.