9 de out de 2013

Repetir

Quando o mundo inteiro findar,
não existirá aconchego, nem lar. Nenhum lugar.
Se o tempo infinito se esgotar,
não teremos mais um momento ou relógio algum pras horas contar.
E se a vida humana não bastar,
teremos outros mundos, desertos e ainda mares a navegar
Porque é nas horas e palavras
Que o homem, por tudo aquilo que passas,
Faz juras de amor outra vez.
E se estivermos juntos
Não importam o tempo, mil mundos
homens ou desertos desnudos,
existirá apenas o fim dos dias e o que há de mais certo.
Que no fim, no leito, estando ainda desperto
Esperando pelo recomeço, não importando se do avesso
A esperança no futuro perdura como no começo, sem fraquejar.
Para repetir tudo novamente,
Tudo aquilo o que há de acabar.