23 de mar de 2015

Nó que não desata

Uma luz, um traço
Um porquê em tudo o que faço
Um amor, uma trégua
De repente a vida te leva
Do chão não sobra nada
Voar não posso. Vida ingrata